Ressurreição do Senhor: fonte de esperança




 Carta do Bispo Dom  Moacir Silva aos Diocesanos de São José dos Campos


            A ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo nos impulsiona para uma vida marcada pela esperança; esperança fundamentada numa certeza: Cristo venceu o mal e a morte; com isso, a morte não é mais a última palavra e, sim a vida.
            Olhando o nosso mundo constatamos muitos sinais de morte: guerras, atentados, violências, miséria e fome, defesa do aborto e da eutanásia, as novas realidades de exclusão e marginalização (cf. Documento de Aparecida 401-402). Perante este mundo o cristão se apresenta e age como pessoa marcada pela esperança. Aqui recordo uma palavra de Bento XVI, na Páscoa de 2009: “Se, por meio da Páscoa, Cristo já extirpou a raiz do mal, todavia precisa de homens e mulheres que, em todo o tempo e lugar, O ajudem a consolidar a sua vitória com as mesmas armas d’Ele: as armas da justiça e da verdade, da misericórdia, do perdão e do amor”.
            A esperança que a ressurreição nos infunde não diz respeito somente sobre nossa atuação neste mundo marcado pelos sinais de morte; é uma esperança que ultrapassa a realidade da morte, ou seja, uma esperança de vida plena, de vida eterna. Jesus Cristo “morrendo, destruiu a morte, e, ressurgindo, deu-nos a vida” (Prefácio da Páscoa). Santo Agostinho dizia que a ressurreição do Senhor é nossa esperança. Com isso, ele explicava aos seus fiéis que Jesus ressuscitou para que nós, apesar de destinados à morte, não desesperássemos, pensando que a vida acaba totalmente com a morte; Cristo ressuscitou para nos dar a esperança (Sermão 261, 1).
            Sabemos que uma das questões que mais angustia a pessoa humana é: o que existe depois da morte? A esta questão a ressurreição de Jesus nos responde que a morte não tem mais a última palavra, o triunfo final é da Vida. Ensina o Santo Padre que “esta nossa certeza não se funda sobre simples raciocínios humanos, mas sobre um dado histórico de fé: Jesus Cristo, crucificado e sepultado, ressuscitou com o seu corpo glorioso. Jesus ressuscitou para que também nós, acreditando n’Ele, possamos ter a vida eterna. Este anúncio situa-se no coração da mensagem evangélica. Declara-o com vigor São Paulo: “Se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação e vã a nossa fé”. E acrescenta: “Se tão somente nesta vida esperamos em Cristo, somos os mais miseráveis de todos os homens” (1 Cor 15, 14.19). Desde a alvorada de Páscoa, uma nova primavera de esperança invade o mundo; desde aquele dia, a nossa ressurreição já começou, porque a Páscoa não indica simplesmente um momento da história, mas o início duma nova condição: Jesus ressuscitou, não para que a sua memória permaneça viva no coração dos seus discípulos, mas para que Ele mesmo viva em nós, e, n’Ele, possamos já saborear a alegria da vida eterna” (Bento XVI, Páscoa 2009).
            A ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo é garantia de vida eterna para todos e cada um de nós que acreditamos na sua Pessoa e seu mistério, que acolhemos a sua Palavra e nos alimentamos de Seu Corpo e Sangue. A vida eterna é a vida dos bem-aventurados que “consiste na posse em plenitude dos frutos da redenção operada por Cristo, que associou à sua glorificação celeste os que creram nele e que ficaram fiéis à sua vontade. O Céu e a comunidade bem-aventurada de todos os que estão perfeitamente incorporados a Ele” (CIgC, 1026). Este é o nosso destino eterno; foi para isso que Deus nos criou; este é o nosso fim último.
            Por fim, desejo que Jesus ressuscitado faça-se presente na vida de cada diocesano e de cada leitor com a sua força de vida nova e de paz. Que cada fiel se deixe alcançar (cf Fl 3, 12) pelo Ressuscitado que sempre infunde coragem (cf Mt 28, 10) e paz (cf Lc 24, 36; Jo 20, 21). Desejo que cada fiel, como os discípulos de Emaús (Lc 24, 13-35), se deixe envolver pessoalmente pelo Ressuscitado e, assim, se torne melhor discípulo missionário d’Ele.
            A todos os queridos diocesanos e leitores, desejo uma Feliz e Santa Páscoa.
                                                                      Dom Moacir Silva
                                                                                                                                                             Bispo Diocesano