A Coroa do Advento

A Coroa do Advento nas suas cores e Significados
é um sinal importante deste tempo que, como todo símbolo, nos fala forte dos seus elementos: o círculo, a cor verde, a luz e as ações simbólicas que a compõem. Pode ser feita de diversas formas, desde que mantenhas os elementos essenciais. Algumas comunidades fazem Coroas grandes, por causa do tamanho da assembléia. Outras a fazem junto no chão, ou nos mais diferentes tipos de base. Isso tudo pode variar conforme as possibilidades, as necessidades e a criatividade da comunidade.
Elementos essenciais
A forma circular: Sem começo e sem fim. A circularidade está ligada à perfeição. O redondo cria harmonia, junta, une. Lembra ainda, para nós, que somos integrantes de um mundo circular onde o processo do universo e da vida é cíclico: o ciclo do ano, do tempo, o ir e vir da história, sempre marcado pela presença d’Aquele que é a Luz do mundo.
As Velas: Nos países do norte da Europa, durante o inverno, as noites são mais longas que os dias e a luz do sol brilha pouquíssimo, isso quando o mesmo não fica totalmente escondido pelas nuvens. Por isso, lâmpadas e velas são indispensáveis e muito apreciadas. Mesmo para nós, que somos cumulados com a luz do sol, a luz da vela tem muito significado, pois a luz da vela em a representação do existente, do brilho, da vida.
Ramos Verdes: O verde é um sinal de vida. Nem tudo está morto, há esperança. Mesmo nos países tropicas, quando tudo está seco, sedento, com a chuva a vida brota, tudo fica verde e traz a esperança dos frutos, anunciando a vida.
A cor das velas: Podem variar. Algumas comunidades costumam usar velas vermelhas, que tem o significado do amor. No Brasil, temos o costume de utilizar, na Coroa, velas coloridas, uma de cada cor, representando o Ano Litúrgico: roxa, verde, vermelha e branca. Podemos também, seguir as cores dos Domingos do Advento, usando três velas roxas e uma rosa. Também podem ser usadas somente velas roxas, brancas, amarelas, douradas ou prateadas. Porém, o que realmente importa é a luz. No Advento, a cada Domingo acende-se uma vela da Coroa. De uma a uma, a luz vai aumentando, até chegar à luz plena da grande festa da Luz, que proclama Jesus Cristo como Salvador, Sol do nosso Deus que nos visita, que arma sua tenda entre nós (Cf. Jo. 1, 1-14).
Origem: A Coroa do Advento surgiu na Alemanha, no século XIX , mas exatamente nas regiões evangélicas, situadas ao norte. Os colonos, para comemorarem a chegada do Natal, a noite mais fria do ano, acendiam fogueiras e sentavam-se ao redor dela. Mais tarde, não podendo acendê-las dentro de casa, tiveram a idéia de tecer uma coroa de ramos de Abeto (uma espécie de pinheiro), enfeitando-a com flores e velas. No inverno rigoroso dos países frios, todas as árvores perdem suas folhas, somente os pinheiros resistem, sendo, dessa forma, um sinal de que a natureza não morreu totalmente. No início do século XX, os católicos adotaram o costume de colocar a Coroa nas suas Igrejas e casas. No Brasil, o uso certamente provém dos missionários que vieram da Alemanha, ou de brasileiros que, tendo conhecido o uso da Coroa na Europa, a introduziram em nossas comunidades.
O significado das quatro velas
1ª Vela: A vigilância na espera da vinda do Senhor;
2ª Vela: A conversão do coração e a reconciliação com os irmãos.
3ª Vela: O testemunho de Maria, a Mãe de Senhor, que vive servindo e ajudando ao próximo;
4ª Vela: O anúncio do nascimento de Jesus, feito a José e Maria.
Rito para o acendimento das velas: Alguém se aproxima da Coroa do Advento com uma pequena vela acesa (Não usar fósforos, isqueiros, etc). Então, o mesmo acende a vela correspondente àquela celebração. Até aqui a Equipe de Canto deve entoar um pequeno solo instrumental. Quando já tiver acendido a vela, o solo instrumental é interrompido e assembléia reza junto, dizendo:
“Bendito sejas, Deus das promessas, porque iluminas as nossas vidas com a luz de Jesus Cristo, teu Filho, a quem esperamos com toda ternura do coração. Amém!”
Recomendações
- É preciso manter os elementos essenciais, a forma circular, o verde e as quatro velas. Sem eles, a Coroa perde sua característica, deixando de ser a Coroa do Advento. É preferível não utilizar elementos artificiais! Folhagens de papel ou de plástico não são símbolos natalinos, pois não são verdadeiros. Para Deus, apenas o natural, o real, o vivo, o belo, o verdadeiro.
- A seqüência para o acendimento das velas deve seguir a cronologia de um relógio: primeiro acendemos a vela que indicaria “12h” depois, a velas das “3h” em seguida, a vela representativa das “6h” e, por último, a vela das “9h”.
Comissão Diocesana de Liturgia
Diocese de São José dos Campos - SP