Tentações atrapalham nossas vidas


Texto Indicado por Betto Andrade -Catequista /Jornalista -  

Todos nós sofremos tentações, mas temos que nos manter fortes e seguir os ensinamentos de Jesus.
No evangelho, encontramos situações nas quais Jesus, seus discípulos e seus seguidores sofrem tentações do maligno. Por exemplo: depois de ser batizado por São João Batista, Jesus foi para o deserto rezar e meditar. No deserto, ele permanece 40 dias em profundo jejum. O espírito maligno lhe aparece e O tenta, dizendo: “Se és realmente o Filho de Deus, transforma estas pedras em pão”. Daí sua resposta: “Não só de pão vive o homem”.

O demônio não se dá por vencido. Ele o conduz ao alto de uma montanha e lhe diz: “Todos estes reinos podem ser Teus, pois eu posso dá-los a quem quiser. Basta que Te ajoelhes diante de mim e me aceites como Teu mestre e senhor”. Jesus, mais uma vez, resiste e responde: “Amarás somente ao teu Deus e só a Ele servirás”.

O demônio, então, O leva ao ponto mais alto do Templo e lança como que uma última cartada: “Se és o Filho de Deus, joga-Te daqui de cima e Ele enviará os anjos para Te segurarem na queda”. Ao que o Senhor responde: “Não tentarás ao Senhor teu Deus”. E acrescenta: “Vai-te, Satanás, porque está escrito: ‘Ao Senhor teu Deus adorarás e a ele só prestarás culto’”. Ele é finalmente vencido.

Jesus mantém a  comunhão com o Pai, em quem coloca toda a confiança. E esta vitória se repetirá ao longo de sua missão. Sua vitória sobre o pecado e a morte repercute em nossa vida, pois ele derrama em nossos corações o perdão dos nossos pecados e nos obtém a adoção de filhos de Deus.

Mais tarde, nos enviará o Espírito Santo, trazendo-nos força e coragem para resistirmos ao pecado e rejeitarmos as mentiras e atrações do inimigo. A atração do poder, do prazer e da glória é vencida por Jesus e, nós, através da graça divina, também participamos desta vitória. Em muitos momentos, as tentações do mal tentam nos tirar da vida correta e cristã.

Quando estas tentações não nos atingem, procuram nos cercar através de amigos, filhos, parentes e colegas. Por isso, temos o dever de estarmos sempre prontos para combatê-las, mostrando a força das palavras de Cristo! Fiquem todos na paz do Senhor!

Pe. Marcelo Rossi
Fonte: Jornal Bom Dia, 13/03/2011