Estudar para quê?

Há uma parcela significativa de pessoas que ainda se perguntam se vale à pena estudar.

Há uma parcela significativa de pessoas que ainda se perguntam se vale à pena estudar. Pasmem, mas ainda existem certos pais (e mães) que brigam com seus filhos quando estes manifestam desejo de estudar em detrimento a trabalhar precocemente para ajudar nas despesas da casa, havendo alguns que até fazem filhos com este objetivo!

Eu não quero investir estas linhas com este tipo de disfunção de alguns, seria uma incongruência com tudo que valorizei a vida toda, mas desejo promover uma reflexão sobre o porquê, realmente, de algumas pessoas ainda insistirem em estudar.

Vejo ao meu redor, em minhas redes de relacionamento acadêmico e até entre pessoas muito próximas, três tipos de acadêmicos. Na verdade, parece somente haver três tipos de "futuros profissionais", com posturas bem diferentes entre si. São três comportamentos que, de longe, são muito mais agregadores de valor do que àqueles que sequer decidiram (ou não conseguiram) frequentar os bancos acadêmicos, mas mesmo assim são comportamentos que trazem contribuições bastante diferentes entre si. 

Veja a tabela abaixo: 

ALUNO FUTURO
“PICARETA”
ALUNO FUTURO “SUPERFICIAL”
ALUNO FUTURO “PROFISSIONAL”
Já terminou sua faculdade e estufa-se desta conquista.
Já terminou sua faculdade e diz que “em breve” (assim que tiver mais tempo e/ou dinheiro) vai continuar seu processo

Já terminou sua faculdade, imediatamente fez uma pós-graduação (latu ou stricto sensu) e continua estudando sistematicamente 

Faz seus trabalhos acadêmicos com o menor esforço possível
Faz seus trabalhos acadêmicos com o maior esforço possível

Faz seus trabalhos acadêmicos como se fossem ser vendidos para alguém

Estuda para fazer a prova e tirar uma nota razoável. Tirando a nota mínima necessário, nunca mais vai dedicar-se àquele assunto
Estuda para fazer a prova e tirar nota máxima. Tirando a nota máxima, nunca mais vai dedicar-se àquele assunto

Estuda para aplicar o conhecimento e as notas não são tão importantes, desde que sejam suficientes para continuar a autopesquisa sobre àquele assunto

Lazer é importantíssimo e estudar algum assunto emergencial é somente quando sobra tempo ocioso
Lazer é importante, mas é capaz de trocá-lo pelo estudo sobre algum assunto emergencial (Nerd)

Lazer é importantíssimo, mas o estudo é imprescindível, portanto faz as duas coisas com excelência

Vai na escola para fugir de alguma coisa no ambiente familiar ou para desestressar
Vai na escola para merecer um bom novo emprego ou uma promoção no atual

Vai na escola para gerar um novo emprego em seu próximo empreendimento

Sabe ler, mas não lê nem gosta de ler! É como se não soubesse! Simplesmente não precisava ter aprendido
Sabe ler, mas só lê o que lhe dá prazer. Posterga pegar um livro e quando pega, acaba dormindo rapidamente

Sabe ler, mas lê tudo aquilo que poderia ser útil na vida pessoal e profissional. Assina revistas profissionais.

Quer trabalhar o suficiente, quanto menos melhor
Quer trabalhar o tempo todo, quanto mais melhor

Quer trabalhar sem descanso até que o resultado apareça



Faça uma análise você mesmo em relação a suas características considerando a tabela anterior. Veja em que "quadrado" você se sente mais representado e reflita sobre seu papel profissional como fruto de sua dedicação como acadêmico. Saiba que o "ser profissional" é uma decorrência de sua "dedicação como estudante eterno" e você só colherá profissionalmente aquilo que souber plantar no âmbito acadêmico.

Qualquer sucesso profissional sem uma sólida base acadêmica, sob o ponto de vista da dedicação do aluno e não somente da qualidade da escola é semelhante a uma construção num pântano: em breve, pode ruir! Afinal de contas, é o aluno que faz a escola e não a escola que faz o aluno?

Fonte: administradores.com