Oração de São Francisco aplicada ao empreendedorismo

Um dos poemas que mais gosto é a Oração da Paz ou Oração de São Francisco, muito conhecida pela maioria dos brasileiros, mesmo que sejam de outras religiões que não a católica.
Ela é simples e perfeita e caiu como uma luva nesta hora em que estou delineando os tópicos-chave do meu próximo livro “Caminho Empreendedor“. Na última grande crise que vivi, onde procurei feito louco saber o que fazer da minha vida, investi bastante tempo refletindo sobre esta oração que se tornou uma espécie de norte em minha vida. Como ser empreendedor, receber reconhecimento e dinheiro do mundo, mas não se corromper pelo imediatismo das recompensas? Como ser idealista e carregar esse ideal por toda a vida dentro de si, encarando que estamos somente fazendo a nossa parte? Como equilibrar o mundo de fora com o mundo de dentro? Estas eram algumas questões que me fizeram refletir muito sobre minha vida e o papel desempenhado por nós empreendedores.

SENHOR, FAZEI-ME INSTRUMENTO DE VOSSA PAZ
Existe algo maior que o nosso corpo, os nossos sentidos, a nossa personalidade. Seja um Deus personificado como nos diz a maior parte da cultura ocidental ou um Ser que envolve a tudo como diz a maior parte da cultura oriental. O fato é que existe algo maior que nós. Se aprofundarmos a questão, conseguiremos enxergar que nós, como pensadores, somos maiores que nós mesmos, pois enquanto a personalidade precisa experimentar para concluir o que está fora, precisamos apenas pensar e concluir algo sobre o que se passa dentro de nós. Se o Senhor está fora, dentro, no alto ou em toda a natureza não importa. O que importa é que possamos ser apenas os instrumentos Dele.

Essa paz nada mais é do que o equilíbrio perfeito das relações. É uma paz universal, um sentimento de acolhimento e respeito com as diferentes personalidades, que somem quando colocadas sob o olhar amplo das divindades que nelas habitam. Como haver paz no mundo externo se dentro de nós só há conflito, angústia e medo? Antes que possamos sair ao mundo proclamando a paz, que possamos nós, nos tornarmos instrumentos importantes para servir a própria paz. Sendo instrumentos, abdicamos da ilusão do nosso “poder” e nos oferecemos a algo maior, o Desejo de Paz, para sermos meros pincéis orientados pelo desejo Dele.
POIS É DANDO QUE SE RECEBE
Esquecendo de qualquer uma das posses que possuímos, fica a pergunta: O que de fato trazemos conosco? Cada vez que vamos a um lugar, conversamos com uma pessoa ou nos reunimos em família, as nossas posses podem iludir nossos olhos, mas só carregamos conosco aquilo que somos. Assim, doar-se inteiramento para outro ser humano é ainda mais mais valioso que alimentá-lo com um pedaço de pão. Imagine abdicar totalmente de si para dar-se ao outro que precisa daquilo que só você carrega dentro de si?
Toda pessoa possui talentos e só os verifica quando abre mão deles e os dedica ao próximo. Isso pode ser feito montando um negócio ou prestando um pequeno serviço. É preciso estar atentos e compreender que o nosso dever está perto de nós. Não é preciso viajar quilômetros para ajudar uma tribo de índios que passam fome. Tudo o que precisamos fazer é dar para quem está hoje ao nosso lado. Dedicarmos a nossa vida à família, aos nossos colegas, a nossos funcionários, a nossos fornecedores, a nossos clientes e receber mais para doar a eles.
Já percebeu que quanto mais amor você dá pra um filho, mas amor você tem pra dar? É uma fonte que não acaba! E se todos à sua volta virassem seus filhos?
E É MORRENDO QUE SE VIVE PARA A VIDA ETERNA
Só consegui andar quando morri. Morri para todo o status quo que pudesse me dizer que aquilo que pulsava dentro de mim como certo, estava errado. Não quis saber mais das bobagens ilusórias que nós mesmos criamos e comecei a focar na vida eterna, aquela que me coloca são e salvo das portas da morte. Enquanto vivemos nossas ilusões sentimos medo, culpa e angústia por não termos realizado alguma coisa. Porém, quando vivemos a nossa vida de verdade, quero dizer a vida eterna presente em cada momento, estabelecendo as nossas próprias regras e seguindo o nosso caminho, realizamos tudo todos os dias e não temos mais medo, culpa ou angústia da morte ou do que possa acontecer. Vivendo a nossa Verdade nos tornamos plenos e divinos.
Quem não tem nada, tem tudo. Quem tem tudo, não tem nada.
Ganhamos dinheiro, compramos carros, casas, fazemos viagens nacionais e internacionais. Colecionamos coisas e nos apegamos a elas. Como podemos perder uma dessas coisas e sentir como se perdêssemos um pedaço de nós mesmos? Como isto é possível? Não perdemos um braço ou uma perna, foi só um carro que foi roubado, nada mais.
Podemos comprar coisas e até mesmo parecer que temos tudo, mas só temos tudo quando enxergamos que este tudo nos é emprestado, para interpretarmos melhor o nosso papel e trabalharmos a nossa moral e ética. Quando olho em volta e vejo um computador, uma mesa, um carro, uma casa, enxergo verdadeiramente que tudo apenas me foi emprestado, não é meu de verdade. Em contrapartida sinto que tenho tudo. Tenho toda a inteligência da natureza e dos outros homens a meu dispor, todas as riquezas materiais e espirituais de todo o universo me servindo e toda a beleza das experiências da vida me provando e favorecendo o meu crescimento.
O saldo da minha conta bancária não tem a menor importância. No extrato online só existe um emaranhado de código HTML imprimindo números coloridos na tela. Aquilo não é meu e tampouco sou eu, tendo eu um milhão ou apenas um real na conta. Concluo que eu sou Tudo e sendo Tudo, também sou você, que agora me serve de espelho para eu poder enxergar alguma Verdade além da minha própria ignorância. Estamos trabalhando em parceria para crescermos juntos e conosco crescer toda a humanidade.
CAMINHO EMPREENDEDOR
Existe um caminho de empreendedor para alcançarmos a Paz que esta oração nos fala. Este caminho é o que estou me esforçando para galgar e através do meu próximo livro compartilhar com o mundo. Penso como São Francisco que pensava o seguinte:
Se eu não existisse, ninguém iria notar minha ausência; nem notaria a ausência de qualquer outro ou outra que existisse. Mas, antes de eu existir, Deus já me conhecia e amava; por isso me chamou à vida: sou criatura Sua. E como criatura Sua, dedico a Ele minha caminhada.
Vamos caminhando juntos. Sempre… estudando e observando nossos próprios passos dia após dia.